Ser Feliz....

SER FELIZ É... Uma questão de saber, de determinação: - é saber domar a fera que pode habitar nosso íntimo. Uma questão de "percepção": - é perceber que as almas infelizes envelhecem mais cedo.. Uma questão de "compreensão": - é compreender que a grandeza da vida também se deve aos obstáculos vencidos... - é comprender que pode ser fácil abrir mão da realidade, mas que pode não não ser tão fácil abrir mão de um sonho. Uma questão de "aprendizado" - é aprender a se conhecer para se avaliar. Uma questão de "atitude": - é demonstrar que as ações dizem mais que as palavras. Mas, acima de tudo, ter em mente que ser feliz...é manter o coração tão pleno de amor que não fique espaço para o mal.

Sabedoria Indigena...

Diz a sabedoria indígena q qdo não cumprimos o q prometemos, o fio de nossa ação q deveria estar concluída e amarrada em algum lugar fica solto ao nosso lado. Com o passar do tempo, os fios soltos enrolam-se em nossos pés e impedem q caminhemos livremente...ficamos amarrados às nossas próprias palavras. Por isso os nativos tem o costume de "por-as-palavras-a-andar" q significa agir de acordo com o q se fala; isso conduz à integridade entre o pensar, o sentir e o agir no mundo e nos conduz ao Caminho da Beleza onde há harmonia e prosperidade naturais."

quarta-feira, 27 de abril de 2011

COMEÇAR DE NOVO

Hora de trancar o armário...
fechar as gavetas e apreciar a vida pela janela...
sorrir pela banda que passa...
fazer careta como criança atrás da vidraça...
Se nada mais resta pra revirar,
eu só vou guardar novidades nas minhas
estantes e gavetas
elas podem ficar tracadinhas,
perfumadinhas aguardando...

Nos últimos anos amontoei um punhado de ilusões,
guardei muitas palavras emboloradas,
colecionei olhares pedintes,
abraços sem uso,
os beijos ficaram esquecidos...desbotando...
Em dias de inverno espremi os cantinhos
para caber um gostinho de saudades da infância,
o sabor do doce da vovó...

Embrulhei em pequenos retalhos coloridos
algumas poucas lágrimas
para lembrar de que cor era o arco-íris...
Nos frasquinhos pequenos e dourados
fiz questão de colocar minhas maiores alegrias,
couberam muitos por-de-sol,
sereno de noites inteirinhas e mãos
cheinhas de chuvas...
Os potinhos brancos eu reservei para as
conversas com os amigos,
e os meus inúmeros pedidos de perdão...

É bem verdade que os meus livros amarelaram,
mas os meus heróis jamais envelheceram, estão lá
todos prontos pra pular pra fora quando
eu quiser conversar...
No meu armário de lembranças
a organização ficou imprescindível,
e como quem guarda com carinho tudo que tem,
tudo foi passado a limpo, cheirado e sentido.

A mulher que nasceu de mim
encheu malas e mais malas de desconfortos,
indecisões e sem medo
trancou e jogou fora as chaves dessas malas.
Agora que está tudo no seu devido lugar,
sobraram gavetas e espaços...
A vida me pede que a viva urgentemente